recuperação de desastres

Dicas para uma recuperação de desastres sem estresse

Infelizmente o ransomware está em ascensão e cada vez mais, as empresas estão preocupadas em como se recuperar rapidamente após esse tipo de ataque. 

Independente do porte da empresa, você não pode deixar que ocorra alguma a paralisação dos serviços de TI, pois afeta todas as operações da organização, desde envio e recebimento de e-mails até o faturamento em produtos e serviços.  

Por esse motivo, é importante garantir que os efeitos de um possível desastre seja os menores possíveis, desenvolvendo ações e estratégias para a recuperação dos dados.  

A seguir, daremos dicas para uma recuperação de desastres sem estresse. 

O que é a recuperação de desastres 

A recuperação de desastres é o método utilizado pelas empresas para recuperar o acesso e a funcionalidade da infraestrutura de TI após um desastre natural ou humano, como falha de equipamentos ou os temidos ataques cibernéticos.  

A recuperação de desastres significa dar continuidade aos negócios. 

Como funciona 

À medida que ataques cibernéticos e eventos climáticos extremos se tornam mais comuns e recorrentes, o planejamento da recuperação de desastres se torna fundamental para a continuidade de negócios.  

Seu objetivo é restaurar o mais rápido possível os dados e processos perdidos, estabilizando as operações da empresa. 

Quando os servidores ficam inativos devido a um desastre natural, uma falha de equipamento ou um ataque cibernético, a empresa precisa recuperar os dados perdidos a partir de um local externo, que não tenha sido afetado pelo desastre, onde o backup dos dados é feito. 

O ideal é que o processamento do computador possa ser transferido para esse local remoto a fim de dar continuidade as operações. 

Para ter um suporte de gerenciamento para um plano de recuperação de desastres são ferramentas eficazes a avaliação de riscos e a análise de impacto nos negócios que quantifique os efeitos reais de um desastre. 

Elementos de um plano de recuperação de desastres 

Um plano de recuperação de desastres para ser eficiente, deve ter documentado quais sistemas e dados são os mais essenciais para a continuidade de negócios, além das etapas necessárias para recuperar os dados.  

O plano também deve incluir um objetivo de ponto de recuperação (RPO, pela sigla em inglês) que indique a frequência dos backups e um objetivo de tempo de recuperação (RTO, pela sigla em inglês) que defina a quantidade máxima de tempo de inatividade permitida após um desastre.  

Essas métricas servem para orientar a escolha da estratégia, dos processos e dos procedimentos de TI.  

A frequência do backup e a quantidade de tempo de inatividade com que uma empresa pode lidar determinará a estratégia de recuperação de desastres. 

Por fim, é fundamental testar o plano com regularidade para garantir que ele funcionará em caso de um desastre repentino. 

Benefícios de um software de recuperação de desastres 

Os dois benefícios mais importantes de ter um plano de desastre são: 

– Recuperação mais rápida: as empresas podem retornar às suas atividades com muito mais rapidez após um desastre ou até mesmo continuar as operações como se nada tivesse acontecido.   

– Economia de custo: centenas de milhares de dólares podem ser economizados pelas empresas com a adoção de um software de recuperação de desastres, além de determinar se elas sobreviverão a um desastre natural. 

Felizmente, nossa parceira Veeam tem várias opções não só para fazer backup, mas também para configurar uma recuperação automatizada de forma simples, que não precisa ser complicada.   

O Orchestrator é um excelente complemento para o Veeam Backup & Replication, permitindo que as organizações levem sua prontidão de DR para o próximo nível. 

Clique aqui e consulte nossos especialistas sobre essa e outras soluções.